Tendências Naturebas Pets

Mixuruca

"Nutrição e medicina preventiva de cães e gatos"

Alimentos proibidos para pets

thinkcatscom

www.thinkcats.com

Muitos me perguntam: “Mas cães e gatos podem comer comida, como a nossa?” – Claro que podem, desde que sejam preparados e balanceados adequadamente para ELES! Afinal comida humana é preparada com ingredientes frescos. A diferença é que, para seus peludos, alguns ingredientes são potencialmente tóxicos. Vamos conhecê-los?

 (Lista em constante atualização)

  • Cebola e cebolinha – contêm uma substância oxidante chamada n-propil dissulfito. Comparado a sensibilidade humana, as células sanguíneas de cães e especialmente gatos são mais sensíveis ao efeito oxidativo desta substâncias. Com isso, as vezes uma pequena quantidade é suficiente para ocasionar o rompimento destas células o que pode levar à quadros de anemia. Sintomas da anemia incluem cansaço, fraqueza e falta de apetite. Outros sinais de intoxicação podem ter origem gastrointestinal com presença de vômitos.
  • Chocolate, guaraná e açaí  –  contêm uma substância conhecida como teobromina, um alcaloide com efeito estimulante. Diferente de humanos, cães e gatos demoram mais para processar a teobromina no organismo e seu efeito pode ser bem toxico. Alguns sintomas de toxicidade por teobromina incluem nausea, convulsão e aumento de batimentos cardíacos.
  • Chá preto e café – Contêm cafeína que é um potente estimulante do sistema nervoso central e assim como a teobromina, pode causar nauseas, convulsões e aumento de batimentos cardíacos.
  • Alho em excesso – também contêm n-propil dissulfito, porem em menos quantidade. Usado na quantidade certa (e bem orientado) contêm substâncias (alicina, ajoeno e tiosulfinatos) com efeitos funcionais na imunidade. Deve ser evitado em gatos que são mais sensíveis à intoxicação. Sua indicação deve ser avaliada por um Nutrólogo.
  • Ossos cozidos ou defumados –  diferente de certos ossos crus, que são bem digeridos por carnívoros, quando estes passam por processamento com calor, como o cozimento, defumação, fritura e etc, passam a perder propriedades que os tornam flexíveis e digeríveis. O calor ressaca a estrutura e com isso alem de se tornarem pouco digeríveis, ao romper podem formar farpas que causam perfuração intestinal e obstruções. Alguns ossos, ainda que crus, como o fêmur e canela de boi, são duros demais e podem causar fratura de dentes. Inclui os ossos defumados de canela e fêmur de boi encontrados em petshops. Ossos crus, no entanto, não devem ser ofertados à cães e gatos sem critério e sem acompanhamento.
  • Batata crua, cará cru, inhame cru, mandioquinha crua (Solamina) – contêm substância conhecida como Solanina, esta substância funciona como pesticida natural de autodefesa da planta. Ao ser consumida, pode causar problemas neurológicos e gastrointestinais. – Estes alimentos podem ser consumidos apenas se muito bem cozidos.
  • Mandioca Brava – contém substância conhecida como Linamarina, que é muito tóxico. Em geral a mandioca mansa é utilizada como alimento e a mandioca brava e potencialmente tóxica se não for bem cozida é utilizada na industria. Na dúvida, não dê mandioca nenhuma.
  • folhas de berinjela, folhas de beterraba, caroço de abacate, caroço de ameixas, sementes de maçãs, sementes de pêras, caroços de pêssegos, caroços de cerejas, sementes de uvas – caroços costumam conter cianeto, uma substância com potencial tóxico. Outros caroços maiores podem causar obstrução.
  • Folha de abacate, casca do abacate –  contêm Persina uma toxina fúngica, que em cães e gatos pode causar sinais de intoxicação gastrointestinal.
  • Noz-moscada – contêm Miristicina, um estimulante que pode causar nauseas, tremores, palpitações e convulsões.
  • Açúcar e alimentos açucarados – levam à obesidade, predispõem ao diabetes, a crises de pancreatite e leva ao acúmulo de placas bacterianas (tártaro) nos dentes.
  • Farinhas brancas (pão branco, biscoitos) e refinados – são alimentos compostos por calorias vazias, não agregam em nada nutricionalmente. Alem disso, fazem a glicose no sangue elevar muito rápido o que predispõem ao ganho de massa gorda (e a obesidade), ao diabetes, à doença renal em gatos e são alimentos que levam ao acúmulo de placas bacterianas (tártaro) nos dentes.
  • Xilitol (é um substituto do açucar, presente em alguns adoçantes, refrigerantes, balas e produtos de higiene bucal)  é potencialmente toxico em doses acima do recomendado pelo fabricante (de produtos pets), podendo provocar convulsão, tremores e até levar à óbito.
  • Macadamias – Até o momento, não se sabe o motivo, mas cães e gatos demonstram toxicidade a noz macadamia, apresentando sintomas como fraqueza, dificuldade de locomoção, vômitos e hipotermia.
  • Bebidas alcoólicas – alem de ser completamente inadequado, o alcool atua deprimindo o sistema nervoso central e pode levar o animal a sinais de intoxicação grave.
  • Uva e uva passa – ainda em pesquisa, mas está associada a danos renais.
  • Ruibarbo, pimenta, folhas e caule de tomate e batata verde (oxalantes) – podem afetar sistema gastrointestinal, nervoso e urinário.
  • Leite – alguns pets são intolerantes à lactose, podendo causar distúrbios intestinais. não há benefícios na oferta do leite.
  • Alimentos mofados/ estragados – contêm toxinas que podem causar problemas gastrointestinais e neurológicos fatais.
  • Sal em excesso:  pode causar tremores, convulsão e morte. Nunca utilize sal para temperar ou salgar o alimento sem critério. O sal integral ou iodado, suplementado em uma dieta caseira balanceada, tem uma função especifica e não deve ser ofertado sem critério. Consulte o Nutrologo/ Nutricionista do seu pet.
  • Carambola:  pelo seu alto teor de oxalato, deve ser evitado por cães e gatos, principalmente pela sua predisposição à formação de cristais e cálculos urinários.

Se seu pet apresenta sinais de intoxicação ou engasgos entre em contato imediatamente com o médico veterinário!

Compartilhe nas Redes Sociais